UMA TROUPE E A MONTAGEM DO PORTFÓLIO DA OPOSIÇÃO PARA A PRÓXIMA CAMPANHA PRESIDENCIAL.

Quem tiver fôlego para ir até o fim desse belíssimo artigo de André Araújo, vai entender um pouco do jogo em que um punhado pessoas, investidos de autoridades, estão tramando o fim da atividade econômica, alicerçados num falso moralismo de ponta de esquina.

Uma troupe formada pela PGR, PF, O Juiz Sergio Moro e um Ministro do STF,  que confunde pessoa física com jurídica, e tenta destruir as duas, ao mesmo tempo, só pode ser levada à serio num país onde a justiça condena cidadãos baseada na literatura, e não em provas.

E todos aplaudem.

Um juiz que já teve um bandido em suas mãos, por três vezes, preso, praticando os mesmos atos, e o deixa solto, não tem moral para, em nome da moral, destruir a economia ou um setor econômico de um país do tamanho do Brasil.

E o que é pior, esse juiz já se ombreou com o bandido que ele o prendeu por mais duas vezes. Ao ser testemunha de defesa do bandido, o juiz já possuia elementos suficientes para o deixá-lo na prisão.

Como se sabe, o Juiz Sergio Moro já esteve por três vezes frente a frente com Alberto Youssef.

A primeira vez, num processo do Ministério Público contra o Prefeito Jairo Gianoto entre 1997 a 2000, ex-prefeito de Maringá pelo PSDB, condenado por gestão fraudulenta, e desvio de 500 milhões de reais.

www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc0403200125.htm.

Sergio Moro foi testemunha de defesa de Youssef.

Sergio Moro esteve ainda à frente das Investigações do Inquérito do Banestado,onde sóo Youssef lavou 150 bilhões de reais.

E agora os dois estão frente a frente, novamente.

Nas duas outras ocasiões, Alberto Youssef ficou livre em ambas.

Mas a situação, hoje, é diferente. O Ministério Público, a PF e um Ministro do STF, não querem corrigir a distorção corruptiva, porque não são os corruptos de todos os partidos que estão sendo investigados.

A investigação é”caolha”, só enxerga um lado da rua.

E a distruição de empresas (pessoas jurídicas) de grande porte, faz parte do ideário de quem conduz essas investigações: gerar desemprego, descontentamento, revolta.

Somado às prisões dos bandidos de um lado da rua, tem-se perfeitamente objetivo dessa troupe: montar um portfólio para a campanha da oposição na próxima campanha à presidencia.  

Martins Andrade-26.07.201

LEIA O ARTIGO DE ANDRÉ ARAUJO. 

Destruição política de empresas: o caso Panair

Por André Araújo

Novo livro sobre a saga da Panair do Brasil, companhia aérea que representava a bandeira do Brasil em linhas para todo o mundo, inclusive Atenas, Beirute e Cairo. A Panair nasceu como subsidiária da Pan American, mas tornou-se independente depois da guerra e criou um padrão de qualidade, organização e abrangência nacional e internacional jamais igualada, uma companhia padrão internacional, seus pilotos eram disputados pelo mundo.

A Panair foi politicamente destruída, de propósito, por uma visão caolha do regime militar. A implicância veio porque o maior acionista da Panair, Mario Wallace Simonsen, era amigo do presidente deposto João Goulart.

O caso Panair é um clássico exemplo de uma empresa que foi atacada pelo Poder e deixou de existir por causa dessa ação. Foi predecessora do caso das 29 empresas atacadas pela Operação Lava Jato, as quais estão sendo deliberadamente destruídas em nome da justiça, como se outros valores tão ou mais importantes não estivessem em jogo, o principal dos quais é o INTERESSE NACIONAL, que diz respeito à população de hoje e às gerações futuras.

A Panair do Brasil era um CAPITAL do País, como toda grande empresa.  Não era só um negócio privado, era também a bandeira do Brasil no exterior. Suas lojas era verdadeiros consulados do País, lojas grandes e espaçosas com jornais diários do Brasil, café do Brasil, brasileiros usavam como ponto de encontro e endereço de correspondência.

Seus aviões Constellation eram, na época, os mais modernos no mundo aeronáutico e suas tripulações eram o top da aviação nacional e internacional. Era realmente uma das mais conhecidas empresas aéreas do planeta, suas rotas até hoje não foram igualadas, nenhuma linha aerea brasileira vai hoje a Atenas , Beirute ou Cairo.

A Odebrecht é a 8ª construtora do mundo, no ranking da respeitada revista ENGINEERING NEWS RECORD, que anualmente faz a lista das 250 maiores construtoras globais. Grande parte dessas maiores construtoras no ranking são hoje de países emergentes, coreanas, chinesas, indianas, indonésias, turcas, malaias, paquistanesas, árabes.

Nenhuma delas jamais foi submetida a um ataque tão violento como se faz no Brasil contra as maiores construtoras nacionais. A Lava Jato vai, aliás já conseguiu em vários caos, DESTRUIR o setor nacional de construção de obras publicas em nome da santidade e da pureza no mundo dos negócios de construção.

Muitos bem pensantes respondem: "Ah, mas as médias empresas agora podem ocupar esse lugar ou que venham as entrangeiras". Afirmações de completos desconhecedores do tema.

As grandes empreiteiras são INTEGRADORAS de mão de obra, de centenas de fornecedores, de prestadores de serviços subcontratados, elas conhecem o terreno geológico brasileiro, conhecem a nossa mão de obra, nossos materiais, o tipo de projetos de engenharia que se adequa ao Brasil. Uma ponte americana é completamente diferente de uma ponte do mesmo tamanho no Brasil. As características de solo, os materiais, o tipo de projeto são próprios de cada País. Uma estrangeira levaria décadas para entender todo esse know how doméstico, as médias não tem a curto prazo capital e corpo técnico para rapidamente assumir grandes obras públicas de infra estrutura.

O Brasil, em nome de uma visão justiceira menor, está destruindo CAPITAL NACIONAL que não é só dos donos das construtoras, é tambem do País, grandes empresas em qualquer País são PATRIMÔNIO NACIONAL, por isso são defendidas com vigor por seus governos. Mas e a propina? Era o MODELO DE NEGÓCIOS corrente, o empresário se adapta às circunstâncias para ganhar contratos. Todas as construtoras dos países emergentes operam dentro das circunstâncias. Obras públicas no Oriente Médio, na Ásia, na África no geral carregam propina. Vamos acabar com nossas empreiteiras, que ficaram queimadas no mercado internacional pela escandalização das prisões mas as empreiteiras de paises emergentes vão continuar a operar do mesmo jeito, agora sem a concorrência das brasileiras, destruídas em nome da moral e dos bons costumes por um Poder que também tem seus pecados e que não são poucos. O Tribunal Federal do Rio está fazendo um rodízio diário de juízes para duplicar os salários, o juiz finge que muda de Vara e ganha um adicional, todos os juízes estão fazendo esse troca troca para aumentar os ganhos, o caso foi reportado em matéria de meia página na imprensa, com todos os detalhes e tudo fica poi sso mesmo.

O que no caso Panair e no caso das empreiteiras não foi e não está sendo defendido é o INTERESSE NACIONAL, que está acima da justiça, da moral e outros valores individuais. Como os demais grandes países operam pelo guia do INTERESSE NACIONAL, os países que desprezam esse objetivo estão fadados à mediocridade e à decadência.

A Odebrecht levou 40 anos para ganhar o mercado internacional. Os sacristãos da força tarefa liquidaram com esse capital em nome da santidade dos negócios, algo que o mundo desconhece. Seremos os únicos coroinhas no bordel das grandes empreiteiras em disputa de obras pelo mundo. Não teremos contratos mas podemos nos orgulhar da pureza de nossas empreiteiras, purificadas no altar de Curitiba, no Estado menos corrupto do Brasil.

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: