MÍDIA NEOLIBERAL – MÃO À PALMATÓRIA

Aos poucos a mídia ligada ao neoliberalismo vai começando a entender o motivo do  Brasil ter crescido, no concerto das nações desenvolvidas, sem ter nada com o receituário econômico que eles apregoavam.

Acostumados a divulgar para a nação, que o desenvolvimento alcançado pelo Governo Lula e Dilma era fruto dos resquícios de políticas adotadas pelos neoliberais, leia-se Fernando Henrique Cardoso e seus partidos de base alinhada, PSDB, PFL(DEM) e ocasionalmente PMDB,  eles, os partidos de mídias, popularmente chamados de PIG – Partido da Imprensa Golpista, começam a entender que a coisa não é como estavam divulgando.

Primeiro veio a crise americana, país base da cultura neoliberal, que entrou em falência. E tenta se erguer a todo custo.

Depois a contaminação aos países europeus, com a crise especulativa corroendo empregos, salários, padrões de vida, e deixando a população em situação de miséria. Milhões de europeus buscam um emprego e os países dos BRIC’S _Brasil, Rússia, Índia e China, e mais recentemente a África do Sul, que aboliram o neoliberalismo e rasgaram a cartilha do FMI, são os mais visados pela mão-de-obra imigrante.

O modelo neoliberal manda, que em crises, os primeiros a serem socorridos deverão ser os bancos. À merda pessoas, famílias, empregos, padrão de vida. Zero para os investimentos sociais.

Montanhas de recursos deverão ser destinados aos bancos.

Doados ou a custos quase zero, como aconteceu no caso brasileiro, quando o governo Fernando Henrique Cardoso doou dinheiro do povo para salvar bancos, através do PROER, deixando o país atingir sua maior marca de desemprego de sua história, levando milhões de famílias ao desemprego e suas graves consequências: fome,  queda no padrão social, favelização de emigrantes, explosão da violência urbana, marginalização e prostituição infanto-juvenil.

Ou então como está acontecendo nesse instante com os países europeus, onde seus governos estão fazendo uma verdadeira festa com o dinheiro do povo, abrindo as cartilhas neoliberal e do FMI para emprestar dinheiro a bancos com o estratosférico juro de 0,01%a.a!

Banco não cria emprego, gera crédito. Que é caro.

O que salvou o Brasil foi o fato do Estado não ter permitido a privatização de seus principais bancos: BNDES, B. do Brasil, Caixa Econômica e os bancos regionais, como Banco do Nordeste e outros.

Com esses bancos o governo pode fazer investimento em ações geradoras de emprego e renda. Além de poder atacar na linha básica da pirâmide social, retirando alguns milhões de brasileiros da miséria.

O que o amigo internauta vai ler abaixo é o começo de um entendimento que grupos midiáticos têm se negado a reconhecer, obliterados por opções político-econômicas que contrariam a natureza  humana.

Foi publicado pela Agencia Estado, pertencente ao Grupo Estadão, reproduzido por vários Blogs, e que o reproduzimos para os frequentadores de nosso Blog Martins Andrade e Você.

Ainda é muito pouco, mas estão começando a dar o braço a torcer.

Ou a mão à palmatória.

  

Democracia & Política

sábado, 28 de janeiro de 2012

MODELO DE DESENVOLVIMENTO PRÓPRIO FAZ BRASIL SE DESTACAR NO MUNDO

Do "Estadão" [jornal que já se declarou, em editorial de out 2010, ser tucano-serrista]

“Ao discursar no “Fórum Social Temático” em Porto Alegre na quinta-feira (27), a presidente Dilma Rousseff criticou o "pensamento único" e disse que o País criou "alternativa democrática de desenvolvimento". A afirmação da presidente é consistente na visão do economista Eduardo Salomão Condé e do cientista político Francisco Fonseca, autores de estudo sobre a dinâmica social e econômica do Brasil.

Para os pesquisadores, o interesse pelo Brasil no cenário global deve-se não apenas à capacidade do País de manter elevados índices de crescimento econômico em meio às turbulências internacionais, mas principalmente por ter encontrado caminho de desenvolvimento diferenciado.

"O destaque para o Brasil advém, para além dos vários resultados concretos, de ações continuadas apontarem para um rumo: a convivência entre soluções ortodoxas em política monetária e preocupações objetivas com o papel do Estado e sua capacidade de investimento", analisam Condé, que é doutor em economia pela Universidade de Campinas (UNICAMP), e Fonseca, doutor em história pela Universidade de São Paulo (USP).

Na visão dos estudiosos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva conseguiu governar o País de modo a permitir "autonomia inserida", ou seja, com "o Estado mais dirigido à inserção social, com maior capacidade regulatória e legitimando suas ações". Para eles, o governo petista conseguiu substituir a agenda imposta pelos pensadores liberais que predominou no governo Fernando Henrique Cardoso. "Os temas como privatizações, reformas e ameaças de colapso deram lugar à visão do Estado como indutor econômico e agente ativo nas políticas sociais."

A avaliação de Condé e Fonseca é a de que, ao livrar-se do "pensamento único", o governo Lula contrariou teses que norteavam, por exemplo, a atuação do Fundo Monetário Internacional (FMI) e que influenciavam o pensamento de economistas brasileiros.

Para eles, a situação econômica que se consolidou, especialmente a partir do segundo mandato de Lula, desfez, por exemplo, o conceito de que era "impossível criar mais empregos formais em ambiente de forte regulação por leis trabalhistas". "Passada uma década, o desemprego recuou para abaixo de 6% em 2010, com aumento do emprego formal e redução da informalidade", citam.

O governo petista, argumentam os pesquisadores, também contrariou a lógica prevalente até então de que "aumentos do salário mínimo prejudicariam o bom andamento dos negócios". Para eles, o impacto da política de aumento expressivo do mínimo é mais efetivo do que os programas sociais do governo. Segundo levantamento do “Instituto Brasileiro de Estudos Previdenciários” (IBEP), o salário mínimo acumulou alta de 142,9% entre 2000 e 2012.

"Atingindo parcelas em situação mais crítica, seu impacto (do salário mínimo) na redução da desigualdade é mais efetivo que políticas focalizadas, como o Bolsa Família: este que é um importante fator de maior estabilidade na renda da família", dizem Condé e Fonseca.

Para os estudiosos, a decisão de Lula de ampliar os "programas de transferência de renda criados [em microescala] no governo Fernando Henrique Cardoso" [sic; chavão tucano], teve efeito positivo para as populações pobres sem causar impacto negativo expressivo sobre os gastos públicos. Em 2010, o Bolsa Família beneficiava quase 50 milhões de pessoas, ou mais de 25% da população brasileira. Mesmo assim, representava 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB), citam.

"Sob qualquer ângulo, por seus resultados, esses programas não representam nem de forma longínqua qualquer ameaça fiscal ou às contas públicas e apresentam, segundo o melhor conceito do ‘mainstream’ econômico ‘alto custo efetivo’", defendem.

Os pesquisadores preveem que os desafios para os próximos presidentes serão lidar, principalmente, com pressões sobre o sistema de saúde e sobre a previdência pública. Isso se deve a uma combinação, já visível no País, de diminuição da natalidade com aumento da longevidade. "A população em idade ativa deve ainda crescer por cerca de 20 anos, até 2030, a partir do qual a pressão sobre o caixa tornar-se-á maior", calculam.

Com isso, eles acreditam ser necessário investir cada vez mais no sistema de saúde pública, além de regular a relação dos consumidores com o sistema privado, e [ênfase do Estadão para as seguintes bandeiras tucanas:] "fazer ajustes na concessão de benefícios previdenciários". "A necessidade de desoneração na folha e um futuro e impopular aumento ligeiro na idade mínima para se aposentar tornam-se estratégicos", apontam.

Na visão dos pesquisadores, mantidas as condições atuais – e mesmo na hipótese de redução no ritmo de crescimento – é bem possível que o País continue a avançar do ponto vista econômico e social e na redução das desigualdades.

"Mantidas as condições, mesmo precárias em um ou outro ano, a combinação de políticas de formação profissional, treinamento de mão-de-obra com estabilidade e crescimento permitirão reduzir mais o desemprego e permanecer alimentando a Previdência – ainda que pressões advindas do fator etário também impactem o caixa futuramente."

FONTE: divulgado pela “Agência Estado” e transcrito no portal “Vermelho”  (http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=174181&id_secao=2) [imagem do Google e pequenos trechos entre colchetes adicionados por este blog ‘democracia&política’]

Postado por Política às 09:34

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: