COMO SE DIZ NO CEARÁ: ÉGUA DA JUSTIÇA!…

Gilmar foi advogado de Dantas ?
Não, não é possível. Deve ser um erro

    Publicado em 11/04/2011

  • Compartilhe Envie Para um Amigo  Share this on del.icio.us Digg this! Share this on Facebook Share this on LinkedIn Post this to MySpace Share on Google Reader Tweet This!
  • | Imprimir Imprima |
  • Vote
    Avaliação NegativaAvaliação Positiva (+35)

Este ansioso blogueiro, entre atônito e perplexo, reproduz e-mail que recebeu do reparador de iniquidades, Stanley Burburinho (quem será Stanley Burburinho ?):

Gilmar Mendes era o Advogado Geral da União quando a AGU e ANATEL requereram a admissão como assistentes do Opportunity (ou seja, como advogados de Dantas – PHA)


1 – A matéria da revista Época sobre Daniel Dantas, diz que no dia 4 de abril de 2002, a Anatel e a Advocacia-Geral da União (AGU) deram entrada a uma petição, na 31a Vara Cível da Justiça Estadual do Rio. Na petição, a Anatel e a AGU requeriam a admissão como assistentes do Opportunity na questão. Ao ser admitidas no caso, o processo seria transferido automaticamente da Justiça Estadual do Rio para a Justiça Federal:

“O financista, o consultor e a “pessoa”

ÉPOCA revela os segredos dos e-mails de Roberto Amaral, o consultor que trabalhou para o Opportunity, de Daniel Dantas, durante o governo FHC


(…)


“No dia 4 de abril de 2002, a Anatel e a Advocacia-Geral da União (AGU) deram entrada a uma petição, na 31a Vara Cível da Justiça Estadual do Rio, principal foro onde TIW, fundos e Opportunity terçavam armas (para saber quem controlaria a Telemig Celular – PHA). Na petição, a Anatel e a AGU requeriam a admissão como assistentes do Opportunity na questão. Ao ser admitidas no caso, o processo seria transferido automaticamente da Justiça Estadual do Rio para a Justiça Federal.”

(…)”


http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI224879-15223,00-O+FINANCISTA+O+CONSULTOR+E+A+PESSOA.html


Acontece que na época era o Gilmar Mendes o Advogado Geral da União de 31/01/2000 até 20/06/2002.


http://jus.uol.com.br/revista/texto/307/os-procuradores-da-fazenda-nacional-a-advocacia-publica/2

Navalha

Em maio de 2002, de volta de Cayman, relata Mino Carta no definitivo editorial – “Por que Dantas é invulnerável – porque ele sabe todos os podres da República” – o passador de bola apanhado no ato de passar bola jantou com o Presidente da República, o Farol de Alexandria, no Palácio do Alvorada.

Quem promoveu o encontro foi o publicitário Nizan Guanaes – amigo dos dois.

Um encontro fora da agenda.

Para entrar no Alvorada, quase que Dantas atropela jornalistas de plantão na porta.

E, como sempre, ele escondeu o rosto.

(É um traço de sua personalidade … não mostrar a cara.)

Clique aqui para ler os detalhes desse festivo ágape, tal qual descrito pela Folha (*) e reproduzido por este ansioso blogueiro.

Foi a “Noite de São Bartolomeu” do Governo FHC.

Nesse ágape Dantas conseguiu:

1) Afastar a diretoria da Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, que prejudicava as santas atividades de Dantas com o dinheiro dos funcionários do BB;

2) Mandou para a Ilha do Diabo o delegado Deuler Rocha, da Policia Federal, lotado no Rio, que teve a infeliz idéia de investigar Dantas. O chefe dele na PF do Rio era o notório Marcelo Lunus Itagiba, que, depois, Cerra mandou para Minas com a tarefa de fazer um dossiê sobre o Aécio (não se iludam: o livro do Amaury vem aí.). Itagiba presidiu na Câmara a CPI dos Amigos de Dantas (dela fez parte o deputado Raul Jungmann, que o eleitor de Pernambuco considerou impróprio para ter assento no Senado.)

3) Nomeou Luis Cantidiano presidente da Comissão de Valores Mobiliários. Cantidiano foi advogado – montou a arquitetura societária da compra da Telemig – e sócio de Dantas. Depois, no Governo Lula, ficou no cargo, em berço esplêndido, por obra do Ministro da Fazenda Tony Palocci. Tony substituiu Cantidiano por um advogado de Cantidiano. Viva o Brasil !

Pouco depois, o Farol de Alexandria, aquele que chama Dantas de “brilhante”, tira o ex-Supremo Presidente Supremo do Supremo, Gilmar Dantas (**), da AGU e manda para o Supremo.

Clique aqui para ler “Época mostra como Dantas operava com Fernando Henrique”.

A vida de Dantas, como se sabe, é cercada de coincidências e decisões sem precedentes.

Clique aqui para ler “Conseguirá Macabu absolver Dantas quando a Época incrimina Dantas ?”.

Uma coincidência são os dos dois HCs Canguru que o ex-Supremo concedeu a Dantas em 48 horas – fato sem precedentes na História da Magistratura Ocidental.

O Supremo estava de férias, e o Gilmar de plantão.

Uma coincidência .

Vamos falar um pouco dessa Telemig.

O passador de bola tinha 1% das ações da empresa.

O “jornalista” Leonardo Attuch, que escreve “reportagens” cujo teor coincide – coincide, amigo navegante – com os interesses de Dantas, começou a atacar os controladores da empresa – os canadenses da TIW.

Na verdade, segundo e-mail da funcionária de Dantas, Carla Cicco, Attuch trabalhava para Dantas.

O órgão jornalístico (?) por onde escorriam as límpidas denuncias era uma revista que se intitula IstoÉ Dinheiro e que, segundo consta, Daniel tentou comprar (oficialmente).

A partir dessas “reportagens”, o magnífico Juiz Rocha Mattos, que enobrece a contemporânea História deste país, Rocha Mattos instaura processo contra os incautos canadenses da TIW.

Baseado em que ?

O Emérito Juiz Rocha Mattos se baseia – apenas ! – nas denuncias de Attuch e monta perseguição judicial implacável aos canadenses.

É nessa celeuma que, segundo o diabólico Stanley Burburinho, o ex-presidente Supremo do Supremo teria socorrido o coitadinho do Dantas.

Perceba, amigo navegante: Attuch escreve, Rocha Mattos abre processo judicial, Gilmar ajuda …

E o que acontece, amigo navegante ?

O passador de bola, com 1% das ações, assume o controle da empresa.

O controle da Telemig, que, segundo a própria Época, depois desmascarada pela Carta Capital, está no centro do “valeriodantas”, como sugere o Mauricio Dias.

A Telemig é o hub da corrupção montada por Dantas, o “Dono do Brasil”, segundo a Carta Capital.

Ali estamos em pleno “valeriodantas”.

Os canadenses foram embora do Brasil.

E não querem saber do Brasil nem na hora de abrir o mapa da América do Sul.

A Telemig, sozinha, dá um livro.

Cujo título poderia ser assim:

“Manual da Generalizada Corrupção no Brasil”.

Não, este ansioso blogueiro se recusa acreditar que o ex-Presidente Supremo do Supremo tenha sido a mesma pessoa que, primeiro, advogou para Dantas em nome da União, e, depois, lhe concedeu dois HCs em 48 horas, como presidente do Supremo.

Não, nem no Brasil isso seria possível.

Stanley, meu caro, acho que essa foi uma bola fora.

Deve ser um homônimo do Gilmar.

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: